quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

Joy - O Nome do Sucesso


“Joy – O Nome do Sucesso”- “Joy”, Estados Unidos, 2015
Direção: David O. Russell

A vida de Joy (Jennifer Lawrence, divina) não era nada fácil. Muito jovem teve que desistir da faculdade para trabalhar e sustentar a família porque seus pais se separaram.
Na casinha branca de Long Island moravam três gerações de mulheres muito diferentes umas das outras. A avó de Joy, Mimi (Diana Ladd), que ela adorava e a incentivava a ser criativa, a fóbica mãe de Joy (Virginia Madsen), que passava os dias em seu quarto, frente à TV, vendo novelas e a própria Joy, seus filhos e o ex-marido, do qual se divorciara mas que não tinha para onde ir e foi ficando. Ajudava Joy com as crianças.
O pai dela (Robert De Niro) saira de casa por causa de uma outra mulher mas separou-se e acabava de voltar, inesperadamente. Ela, que não sabia dizer não, põe o pai para morar com o ex-marido (Edgar Ramirez) no porão.
Através de “flashbacks”, vemos como Joy foi uma menina que gostava de inventar histórias e encená-las com papel e tesoura. Montou uma casinha e dizia que lá tinha tudo que ela precisava. E achava dispensável o “príncipe encantado” sugerido pela meia-irmã Peggy (Elizabeth Rohm), já que ela possuía “poderes especiais”. As duas não se davam muito bem.
É graças a esses dons que ela sabia possuir, esperteza aliada a uma inteligência acima da média e sua criatividade, que Joy vai dar a volta por cima naquela vidinha sem graça.
Isabella Rossellini faz Trudy, uma viúva rica que namora Robert De Niro e que será a investidora num negócio baseado na invenção de Joy, um esfregão útil e bem bolado, o melhor do mercado, como ela mesma diz.
Joy encarna o espírito de uma nova mulher que, ao contrário da mãe e da avó, vai à luta, já que os homens da família não servem como provedores.
Sua capacidade de resistir às reviravoltas do destino é o seu ponto forte. Joy não desiste. Mesmo quando tudo parece ir contra ela.
Bradley Cooper faz uma ponta, sempre bonitão e a melhor amiga de Joy (Dasha Polanco) revela-se uma excelente parceira.
A história é real e Joy Mangano, criadora de um império, foi a inspiração para David O. Russell escrever o roteiro. Aliás, esse é o terceiro filme da dupla diretor/atriz favorita. Os outros foram “Silver Linings Playbook - O Lado Bom da Vida” 2012 e “American Hustle - Trapaça” 2013.
Com momentos divertidos e outros dramáticos, “Joy - O Nome do Sucesso” é um filme agradável, com boas interpretações e, principalmente, com o brilho de estrela de primeira grandeza que é Jennifer Lawrence. É sempre um prazer vê-la na tela.
Com apenas 25 anos de idade, a bela já tem  um Oscar e três Golden Globes na mão. Um deles, graças à sua interpretação como Joy.
Aliás, ela é o filme.





Nenhum comentário:

Postar um comentário